Ensaio: encontros & desencontros

João amava Teresa

que amava Raimundo

que amava Maria

que amava Joaquim

que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para o Estados Unidos,

Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre,

Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se

e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.

(Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade)

Este poema de Drummond sintetiza de forma magistral os encontros e desencontros que fazem parte da vida – processos que também manifestam-se dentro do grupo retratado no livro de Maria Adelaide Amaral, Aos Meus Amigos (editado em 1992 e recentemente relançado pela Editora Globo): velhos amigos reúnem-se, após um grande tempo sem se verem – separados pela vida e pelas vivências de cada um -, tendo como agente desencadeador da reunião o suicídio de um amigo comum. Se bem que tal argumento, empregado no romance, havia sido anteriormente explorado no filme The Big Chill (no Brasil, sob o título O Reencontro), de 1983, dirigido por Lawrence Kasdan e estrelado por Glenn Close, William Hurt e Jeff Goldblum, entre outros.

A partir daí, a narrativa desenvolve-se em torno dos confrontos, encontros e desencontros experimentados pelo grupo, cada qual com suas idiossincrasias, inquietações, antigos ideais de juventude transformados (ou destruídos), desilusões e angústias existenciais àquela altura de suas vidas entradas na maturidade, tendo como elemento identificador comum o fato de pertencerem a uma determinada geração – no caso, a dos anos 60, época caracterizada por grandes transformações sócio-político-culturais, no Brasil e em várias partes do mundo, principalmente EUA e Europa.

E, onipresente a tudo, talvez o grande desencontro entre todos os personagens do romance: a paixão, nunca resolvida, entre Léo (o suicida) e Lena.

O título do livro é claro, neste sentido: trata-se de um livro dirigido e dedicado, pela autora, aos seus amigos – ou pelo menos às pessoas que vivenciaram e de alguma forma identificam-se nos dilemas e conflitos da geração em questão; se bem que, mesmo não necessariamente pertencendo-se a ela, o teor existencial da mensagem contida no livro ainda vale.

Por outro lado, estas tratam-se de sagas que talvez só sejam plenamente compreendidas por quem já passou dos 30 anos em diante – faixas etárias da idade adulta, da maturidade, nas quais, de uma forma ou de outra, acumulam-se vivências suficientes para uma compreensão satisfatória dos intrincados mecanismos dos relacionamentos humanos, bem como das voltas e reviravoltas que a vida dá (processos que dificilmente seriam plenamente compreendidos por um adolescente ou alguém nos seus vinte e poucos).

Li o livro de Maria Adelaide Amaral à época em que foi lançado e, desde então, surpreendo-me relendo-o várias vezes; simplesmente por identificar-me (em maior ou menor intensidade, conforme o caso) com alguns daqueles personagens, os quais inspirados no próprio círculo de amizades da autora (incluída a própria) – sob nomes e biografia forjados, e ideias rigorosamente verdadeiras. E, para todos os efeitos, pela experiência de vida que vai sendo acumulada através dos anos, é impossível não identificar algum dos desencontros e conflitos existenciais vividos por aquela gente em nós: eu, você, pessoas próximas… Tanto no poema de Drummond quanto no livro. Ou mesmo no filme.

copyright © 2007 Iracema Brochado

colagem / collage

Advertisements

short story

This entry was originally a handwritten (by me, of course) piece, and I decided to type and post it here with no pretentions at all – so one can read it either in present days or 50 years later… And make their own conclusions as well 😛

A Hundred Years Ahead

Every day I access my home computer and start a new working day, I wonder how things used to be in the beginning of 21rst century. In those already past times, life surely has been not so different than nowadays, in some aspects – only some technological progress makes a lot of difference, and somewhat funny!

Firstly, when I read an electronic book in my home computer, which is so small that it fits the palm of my hand (having also the resource of transferring any type of data from the computer to my database watch), I remember those hilarious huge PCs from hundred years ago. How couldn’t they be as portable as this one I own?

Additionally, all those shops and supermarkets seem so outdated as everyone now can buy the most ordinary things like groceries or household goods without getting out from the house – just one click in my portable palm-computer and everything can be bought and delivered to my house.

On the other hand, it is really gratifying to know that most of those environmental problems which once used to be such a nuisance to the whole so-called Planet Earth are now completely eradicated. For example, all residences are supplied with their own fabricated water, therefore the shortage or even the simple lack of this substance is not a problem anymore.

Time to stop – because I have to make a business contact on my palm-PC (which is also equipped with both digital and web cameras, and have voice devices as well) to close a deal. Duty calls…

copyright © 2005 Iracema Brochado

DRAWING//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Rembrandt: an Art review

Opening this blog, I here re-publish a review originally posted on an old blog, now deactivated.

A Memorable Experience in Arts

Recently, in the year of 2002, the citizens of Brasilia (Brazil’s capital) had the opportunity to see, for the very first time in Brazil, an exhibition of Rembrandt Van Rijn’s etchings which compiled 83 works in total, of the Dutch-born artist (1603-1669).

The exhibition, entitled Rembrandt and The Art of Engraving (‘Rembrandt e A Arte da Gravura’) and performed at the Centro Cultural Banco do Brasil in Brasilia and also São Paulo, Rio de Janeiro and Recife, was organised by the Netherlands’ Rembrandt House Museum (established in Amsterdam) and gave Brazilian public a unique experience to look at a careful selection of the artist’s most significant works in terms of etching techniques. Although being remembered mainly by his paintings nowadays, Rembrandt was also one of the greatest engravers of his time – a time when Engraving, as a form of art, was as much valued as Painting.

The etching selection demonstrated how Rembrandt did innovate the techniques of such craft, by emphasizing the use of pictorial effects more that line drawing itself, on his engravings. The exhibition included a vast aspect of the subjects striven by the artist, from landscapes and allegories to portraits and nudes.

The exhibition has also shown Rembrandt’s influence on other artists both from his time and from recent times. Alongside to his own selection, an additional show has compiled 40 works collected from several influenced artists like Picasso, among others.

To sum up, this event should be considered as one of the most remarkable Art happenings of the year of 2002, in my memories. It surely has brought, not only for me but for every spectator, an immensely vivid experience of gazing at a compilation of Rembrandt’s true innovative geniality in the art of Etching and Engraving, which remains as one of the major references in Art History, of all times.

copyright © 2005, Iracema Brochado

o labirinto de Ângelo

Outro texto que publiquei pelo mesmo MULTARTE, em 2000, sobre outro curta dirigido por Jorge Furtado: Ângelo Anda Sumido, de 1997 (produção da mesma Casacinepoa), também disponível em DVD.

O LABIRINTO DE ÂNGELO

 “Os muros, então, para que servem os muros? Pra impedir ladrões? Sim. Pra garantir a privacidade? Sim. Mas servem também para acabar com o direito natural do ser humano animal de ir e vir (um direito inclusive constitucional)”. Assim Marcelo Rubens Paiva discorre sobre o espaço público e urbano, no seu livro Feliz Ano Velho.

É justamente este aspecto da delimitação do espaço público, tanto no plano físico como no existencial, sobre o qual o curta ÂNGELO ANDA SUMIDO (Brasil, 1997) discorre. “Odisséia” ou “crônica” urbana já unanimemente denominada pela crítica, “ÂNGELO…” demonstra os encontros e desencontros determinados pela delimitação cada vez mais evidente do espaço das grandes cidades; delimitação agravada pela realidade sócio-cultural que experimentamos nesta virada de milênio.

Sim, o enredo passa-se em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, mas poderia ser na sua cidade também – qualquer grande cidade repleta de lonely people, em qualquer parte do planeta. O enfoque do tema, o qual potencialmente resultaria pesado e mesmo amargo (o individualismo urbano e a fragmentação do espaço público) sob outros pontos de vista, é aqui apresentado de forma bem-humorada e espontânea, através de situações e personagens absolutamente familiares; tão banais que seguramente não haverá ninguém que não tenha se identificado em alguma coisa de tudo aquilo.

Mas serve também para suscitar a velha questão: até que ponto “o direito de cada um termina onde começa o direito do vizinho” – ainda que com um emaranhado de grades e cercas a representar, literalmente, este estado de espírito urbano por excelência?

Dois amigos se reencontram após longo tempo, e dispersam-se da mesma maneira como apareceram, seguindo suas vidinhas urbanamente individualistas. Cada homo sapiens no seu galho urbano. “E Ângelo, o que aconteceu com ele?”, pergunta-se o aflito espectador. O paradeiro de Ângelo adquiriu importância, a despeito dos lances narrados em primeira pessoa pelo amigo protagonista. A esta altura do campeonato, já não importa mais: a cidade grande os engoliu. Sempre acabamos engolidos pela cidade cedo ou tarde, nos encontros e desencontros que a vida nos traz. E fica a dúvida: foram as grades que separaram de fato os dois amigos, ou foram seus próprios egos urbanos, já predispostos? Onde termina uma coisa, e onde começa a outra?

“Dentadura é salvo-conduto; não saia de casa sem ela”. O edifício onde o amigo de Ângelo mora mais parece um verdadeiro presídio de segurança máxima, tal a quantidade de grades (e chaves para abri-las)… Outros destaques para a plasticidade cenográfica do curta como, por exemplo, no detalhe dos mapas da cidade refletindo-se sobre os personagens (qual slides) e na sobreposição estilística de outros componentes mais escrachados como que servindo de reforço irônico às situações vividas pelos protagonistas – sem que a fita descambe no “pastelão” puro e simples, supremo desafio. Por fim, trilha sonora com música dos Replicantes.

No labirinto urbano, Ângelo e seu amigo perderam-se. Mas, “quem é vivo sempre aparece” um dia…

copyright © 2000 Iracema Brochado

ilha sem fantasia

Originalmente um trabalho de faculdade, publiquei este texto no site MULTARTE, em 2000, sobre o curta Ilha das Flores, produção da Casa de Cinema de Porto Alegre, de 1989 – dirigida por Jorge Furtado (devidamente disponível em DVD).

ILHA SEM FANTASIA

ILHA DAS FLORES, realizado por alunos gaúchos de cinema em 1989, demonstra que é possível a criatividade com poucos recursos.

Trata-se de um premiado e festejado curta que, com produção modesta, constrói uma narrativa extremamente instigante no tocante ao seu conteúdo. Exatamente por isso, é uma demonstração (dentre as muitas que têm aparecido no recente cenário artístico) das mais eloqüentes de como, sem recorrer a produções de porte faraônico-hollywoodiano, uma obra de arte pode ser tão bem elaborada no plano técnico e ao mesmo tempo comunicativa, sem hermetismos eruditos ou malabarismos virtuosísticos. Enfim, algo para ser entendido – e curtido.

Disponível também em versões para o inglês, francês, alemão e espanhol, ILHA DAS FLORES é uma verdadeira parábola sobre a condição humana – ou pelo menos uma de suas facetas: a de como a ausência de liberdade (aquilo que outorga ao indivíduo em particular e à sociedade em geral o direito de ir e vir, bem como o direito a uma vida em condições dignas) pode levar gente a se sujeitar a situações aviltantes em troca de uma sobrevivência quase ou totalmente vegetativa. De como o ser humano, na eterna luta pela sobrevivência, trata de se contentar com qualquer coisa ao seu alcance – até mesmo LIXO.

No plano técnico, a narrativa apresenta-se com um estilo que poderia assim ser chamado de: “irônico-didático”, com generosas doses de metalinguagem, ao “explicar” cada um dos componentes apresentados em seu desenrolar; há também características de documentário em algumas passagens, tanto que este curta costuma ser genericamente denominado como “documentário” pelos meios afora. Da aparente miscelânea nonsense, entre conteúdo e partes nele envolvidas (incluindo personagens de carne e osso), vai-se gradativamente fazendo surgir uma idéia comum: a de como a sociedade de fato, mesmo não se conhecendo os indivíduos, encontra-se envolvida em uma mesma questão – a da dignidade da existência.

Há na obra uma intensa relação sonoridade-imagem, com elementos repetitivos e encadeados entre si, em um continuum – ou seria talvez “crescendo social?” – que leva ao desfecho da reflexão final sobre a condição humana, via Cecília Meireles (“Liberdade é uma palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda”). Apesar dos momentos jocosos, hilariantes até, a narrativa vai gradativamente conduzindo o espectador a uma conclusão final, que é séria. E tudo isto em apenas 12 minutos de duração.

Apesar das técnicas empregadas nesta película serem de uso corriqueiro em productions do tipo WALT DISNEY, ILHA DAS FLORES (que bem poderia servir de título a uma produção desse porte) pode ser considerado como um magnífico ANTI-DISNEY… Sem a costumeira pieguice que assola tais produções. Um verdadeiro colírio artístico para aqueles que, como eu, acreditam que bom cinema não depende de grandiloqüências hollywoodianas para tornar uma obra perene: a velha fórmula da “câmera na mão e uma idéia na cabeça” ainda funciona, sim.

copyright © 2000 Iracema Brochado