aplicativos multitarefa

À medida em que familiarizo-me com o PicsArt (aplicativo exclusivo do Android, por enquanto – os iPhonemaníacos esnobam, e eu esnobo de volta, ui!), constato que ele serve não apenas como diversão, mas também como verdadeira ferramenta de trabalho, para divulgação ou resumo de eventos e ocasiões – como estes que fiz, divulgados via Instagram, Streamzoo (e pelo Twitpic também) e, por tabela, pelos Flickrs e Picasas da vida.

Com todos os recursos de que o aplicativo dispõe, talvez eu não exagere ao afirmar que o PicsArt é um verdadeiro “mini-Corel” para celular.

Minha página no PicsArt

Advertisements

Large Hadron Collider

Dando continuidade ao post anterior (sobre o despertar do meu interesse pela Física, após um período de longa hibernação), eis algumas imagens – salvas em fomato PNG, apesar da “cara de Autocad” – obtidas pelo aplicativo LHSee, através do qual pode-se monitorar os eventos do Large Hadron Collider (LHC), o colisor de partículas destinado a desvendar, entre outros aspectos, elementos referentes à própria origem do Universo

Pelo aplicativo pode-se, entre outras características, “brincar” de procurar o Bóson de Higgs (moderna versão do Santo Graal, talvez?). Por enquanto, LHSee – gratuito – é exclusividade da plataforma Android (até surpreendeu-me que não exista versão para iPhone).

Às vezes tenho a impressão de ver no LHC uma reconstituição de algo já discutido em escritos milenares – e não se trata de “viagem na maionese” por esoterismos de boutique, do tipo New Age: falo em sistemas filosóficos.

In search of the #higgsboson (3) In search of the #higgsboson (2) In search of the #higgsboson

in search of the Higgs Boson

E, para dar o toque musical a este post: as respectivas versões original (em inglês) e em Português do Rap do LHC.

appmania

Com estou sempre experimentando novos recursos midiático-digitais, também aderi à onda dos aplicativos editores de fotos para celular, precisamente Instagram, Streamzoo e PicsArtmeus campeões de preferência, todos disponíveis para Android (sendo o último exclusividade da plataforma em questão, pelo menos por enquanto).

Se bem que, em uma tentativa de evitar a monotonia temática “gastroegoSHATO-petmaníacodepressivo” (a qual certamente contribuir para espantar freguesia nesses ambientes – mas NADA contra meus próprios pets, por favor), trato de postar, além de outras coisas, alguns doodles digitais de minha autoria, em um esforço para variar. Neste ensejo, brincadeiras são feitas em cima de fotos também. Tudo isto como pretexto para conhecer e exercitar os recursos disponibilizados em cada aplicativo, inclusive no sentido de contornar eventuais limitações – como sempre faço diante de cada programa.

Alguns exemplos abaixo, postados na minha página do Flickr.

(Outros encontram-se no meu blog do Tumblr)

Kaleidoscope Kaleidscope series Kaleidoscope series Kaleidoscope series PicsArt.com PicsArt.com Bom #FDS / Have a nice #weekend PicsArt.com Nothing new self-portrait #doodle #Holiday (3) #doodle daisies 4 you #flowers #kaleidoscope series#kaleidoscope series kaleidoscopes

Por tabela, estas são as minhas respectivas páginas do Streamzoo e do PicsArt:

http://immb95.picsart.com/

http://streamzoo.com/user/Immb95

netiquette: pano para manga

Tá certo que postar fotos de pets o tempo todo enche o saco dos outros (aliás, nada mais enervante do que falta de assunto).

Mas “FOODIES” e GASTROCHATOS inveterados a fotografarem e postarem – compulsiva e obsessivamente – fotos do promeiro “pê-efe” que aparece na frente (seja qual for o tipo de comida, vertente etc.) estão no mesmo patamar.

Tribo “porn-food”: por gentileza, SE MANCA. “Banquetes virtuais” enfastiam. Comer com os olhos também (podendo levar à indigestão). Tanto que parei de seguir gente no Instagram, por causa disso.

E a febre é tamanha que pode certamente levar a mal-entendidos. Daí, para confundir-se chefs profissionais (que façam uso desse tipo de aplicativo para fins editoriais e de divulgação do seu trabalho, suponhamos) com gastrochatos “mais-realistas-que-o-rei” pode ser só um passo (isso, para não falar de chefs que até largaram a profissão por causa dos gastrochatos. Tremendo quiprocó). Mas, como males também podem vir para o bem… De vez em quando alguns gastrochatos prestam serviço, ao reclamar da qualidade do atendimento, por exemplo.

Não para menos, já tem restaurante proibindo os fregueses de fotografar os pratos, lá fora.

Estes casos representam, enfim, variantes de incontinência digital, como outras tantas que assolam o cyberespaço.

UPDATE 10/05: a título de informação, existem aplicativos de celular específicos, através dos quais os aficionados em gastronomia podem organizar suas notas, receitas, fotos etc. e “trocar figurinhas” com os demais membros da tribo sem que poluam outros aplicativos. Como o Evernote Food (desdobramento do Evernote), por exemplo.

Domingo / Sunday

Uma publicação compartilhada por Iracema (@immb95) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js