Diga ao povo que fico

Decidi manter este blog. Ainda que com novos projetos. Escrevo mais depois.

I decided to keep this blog. Yet with some refurbished projects. I’ll write more later.

[DRAWING] gouache on A4 paper - jul2016//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Advertisements

leituras (i.e. estudo)

Algumas leituras das matérias que estou cursando no semestre – na forma de livro, enquanto outras estão na forma de textos xerocados já comecei a adiantar, se bem que a segunda forma é empregada apenas como último recurso, em um esforço para economizar grana! Quanto ao resto, a biblioteca ajuda. Por sorte, já tenho alguns dos livros, comprados há vários anos aos poucos, em um esforço para montar uma biblioteca filosófica minimamente aceitável.

Este semestre consistirá em uma viagem em voo de pássaro sobre os diferentes sistemas e tradições filosóficos, o papel do saber histórico-filosófico e uma análise estrutural das produções filosóficas, além de uma assimilação das noções de Lógica tal como utilizada no campo da Filosofia.

UPDATE 05/11: em um esforço para obter fontes de credibilidade, foi-me recomendado hoje este excelente blog, “Não Gosto de Plágio”. Vale a pena tê-lo à mão, como ferramenta defensiva, a começar por esta postagem que enumera (ANTI)referências bibliográficas. (e mais esta!) Vale a pena também acompanhar outro blog, Livros e Afins, com respectivas páginas Facebook e Google+ (ver links no próprio blog).

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

noite de abertura: JANELA DAS EMOÇÕES

Segue um resumo do coquetel de abertura da nossa exposição coletiva de pinturas – aberta ao público até o dia 28 próximo, no Anexo IV da Câmara dos Deputados -, na forma de uma colagem de fotos: algumas tiradas por mim, outras gentilmente cedidas por Carmen Fraga, nobre colega expositora =)

A vernissage foi um sucesso e o espaço, incrível.

//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Em anexo, transcrição de RELEASE redigido por mim – com adaptações -, publicado na mídia e no painel de entrada da exposição da Câmara:

UMA JANELA PARA A ARTE

Na arte estão […] visceralmente unidos os dois aspectos […]: o seu lado techné – do­mínio consciente e intencional de meios com o objetivo explícito de atingir um fim pré-determinado – e ao seu lado “magia” – impulso de reconciliação com uma totalidade, experienciada como radicalmente cindida. (DUARTE, Rodrigo A. P., Arte e Modernidade. Psicol. Cienc. Prof., Brasília, v. 14, n. 1-3, 1994. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931994000100003&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 10 abr. 2012)

Os participantes desta mostra são pessoas de diferentes formações, embora tendo um ponto em comum: a ARTE. São diferentes talentos provenientes de diferentes lugares que se encontram na coletiva “JANELA DAS EMOÇÕES”.

Este grupo de artistas participantes vem trilhando, com sua experiência já acumulada, um caminho sólido e promissor através da utilização de diversos materiais, técnicas múltiplas e texturas diversificadas, variando entre o rigor acadêmico e o traço solto, mesclando o clássico e o contemporâneo.

Nestas “janelas” aparentemente tão distintas, sua proposta resulta, no entanto, no supremo objetivo do evento que os une: o amor à expressão artística. Paixão que, por sua vez, promove a integração entre a emoção da criação artística e a visão – ou, talvez, revisão – filosófica do mundo que nos cerca. Portanto, aqui, diferentes visões de mundo convergem em um ponto comum: o aparente parado­xo do emprego “racional” das técnicas artísticas que leva à “magia” (tal como na citação acima) da reflexão e consequente reconciliação com o mundo e o Universo.

aplicativos multitarefa

À medida em que familiarizo-me com o PicsArt (aplicativo exclusivo do Android, por enquanto – os iPhonemaníacos esnobam, e eu esnobo de volta, ui!), constato que ele serve não apenas como diversão, mas também como verdadeira ferramenta de trabalho, para divulgação ou resumo de eventos e ocasiões – como estes que fiz, divulgados via Instagram, Streamzoo (e pelo Twitpic também) e, por tabela, pelos Flickrs e Picasas da vida.

Com todos os recursos de que o aplicativo dispõe, talvez eu não exagere ao afirmar que o PicsArt é um verdadeiro “mini-Corel” para celular.

Minha página no PicsArt

reflexão

Não faço parte dessa estética, digamos, escatológico-forense que tomou conta de determinados segmentos da arte contemporânea. (E os incomodados, que se incomodem – ui!)

Se de um lado pretendo reformular meu próprio relacionamento com a Arte (“puxar uma DR” com a mesma talvez, como dir-se-ia nestes dias e tempos), não significa que eu não tenha o direito de escolher o caminho ou linguagem nos quais me identifique mais.

E, na escolha que faço, sinto mais liberdade para criar e relacionar-me com a vida, as pessoas e a própria arte, refletindo-se a mesma liberdade na disposição para viver.

PORTFOLIO #1//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

PORTFOLIO #2//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

TELAS / CANVASES//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

AZULEJOS / TILES//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Large Hadron Collider

Dando continuidade ao post anterior (sobre o despertar do meu interesse pela Física, após um período de longa hibernação), eis algumas imagens – salvas em fomato PNG, apesar da “cara de Autocad” – obtidas pelo aplicativo LHSee, através do qual pode-se monitorar os eventos do Large Hadron Collider (LHC), o colisor de partículas destinado a desvendar, entre outros aspectos, elementos referentes à própria origem do Universo

Pelo aplicativo pode-se, entre outras características, “brincar” de procurar o Bóson de Higgs (moderna versão do Santo Graal, talvez?). Por enquanto, LHSee – gratuito – é exclusividade da plataforma Android (até surpreendeu-me que não exista versão para iPhone).

Às vezes tenho a impressão de ver no LHC uma reconstituição de algo já discutido em escritos milenares – e não se trata de “viagem na maionese” por esoterismos de boutique, do tipo New Age: falo em sistemas filosóficos.

In search of the #higgsboson (3) In search of the #higgsboson (2) In search of the #higgsboson

in search of the Higgs Boson

E, para dar o toque musical a este post: as respectivas versões original (em inglês) e em Português do Rap do LHC.