Artes Visuais: monografia de conclusão de curso (e outros materiais)

O que está aqui incorporado refere-se ao curso de Especialização lato sensu em Artes Visuais, feito de outubro de 2009 a dezembro de 2010, pelo SENAC-DF.

Aqui está a monografia (sei que não dá pra ver nada, mas deixei assim de propósito).

E este é o powerpoint preparado para o dia da defesa da mesma.

senac-df-2009-2010-especializao-lato-sensu-em-artes-visuais_36881123616_o.jpg


senac-df-2009-2010-especializao-lato-sensu-em-artes-visuais_36898862182_o.jpg

senac-df-2009-2010-especializao-lato-sensu-em-artes-visuais_36881124716_o.jpg


UPDATE set2017 – Resolvi acrescentar a este post outro vídeo: um “dever de casa” produzido durante um dos módulos do curso.

 

Advertisements

fotos do curso

Como o curso (que já termina) não constitui-se apenas de trabalhos escritos e de apresentações powerpoint postados neste blog via Scribd ou Slideshare, deixo à disposição pequeno álbum de fotos dos Momentos Presenciais do curso, que vai atualizando-se à medida em que novas fotos são acrescentadas – até o fim do curso, em dezembro.

Segue abaixo uma apresentação de slides.

SENAC-DF 2009-2010

(CLIQUE TAMBÉM AQUI)

sobre a inveja: o vídeo

Nesta semana fiz um vídeo, como “dever de casa” para o o curso de Especialização em Artes Visuais, e posto-o aqui, também: uma análise do filme Amadeus, de Milos Forman, precisamente sobre a versão do diretor, lançada em edição comemorativa dos 20 anos de estréia do filme nos cinemas e cujo DVD consta no meu acervo pessoal. O trabalho permitia a escolha de um filme – qualquer um.
Quanto ao vídeo, na verdade trata-se de adaptação de um artigo postado em 2008 em outro blog meu (já extinto), “Sobre a Inveja”. Um esforço foi feito para adaptar-se o texto a uma linguagem mais objetiva como o veículo em questão exige, e que não excedesse 5 minutos.
Tanto no artigo original quanto no vídeo, ensaia-se um cotejamento entre as 2 versões do filme de Forman (ou seja, a que estreou nos cinemas em 1984 e a versão do diretor) e, em um segundo plano, a própria peça do dramaturgo inglês Peter Shaeffer, na qual o filme se baseou.

Protected by Copyscape Online Infringement Detector