panorama… atual

Desde que ouvi esta música pela 1ª vez em plena Rádio Mundial, esta canção do Erasmo Carlos nunca perdeu sua atualidade; pelo contrário, é daquele tipo de obra dotada da estranha e significativa propriedade de ficar cada vez mais atual, á medida que os anos passam.

Juntamente com Mercy Mercy Me (The Ecology), de Marvin Gaye, esta canção aborda o problema do desequilíbrio ecológico – e sua consequente queda na qualidade de vida -, em uma época que tais preocupações ocorriam de forma um tanto vaga em cabeças pensantes, como uma espécie de louca utopia pessimista.

Sobre a canção de Erasmo, de tão boa e atual, sua letra pode ser analisada por si mesma sem a necessidade da melodia, apreciada como um poema – com sua ironia sutil em antepor a (eterna) busca de “perfeição” do gênero humano à crescente degradação ambiental – e, por extensão, da qualidade de vida de todas as coisas vivas – em volta:

Lá vem a temporada de flores
Trazendo begônias aflitas
Petúnias cansadas
Rosas malditas
Prímulas despetaladas
Margaridas sem miolo
Sempre-vivas quase mortas
E cravinas tortas
Odoratas com defeitos
E homens perfeitos

Lá vem a temporada de pássaros
Trazendo águias rasteiras
Graúnas malvadas
Pombas guerreiras
Canários pelados
Andorinhas de rapina
Sanhaços morgados
E pardais viciados
Curiós desafinados
E homens imaculados

Lá vem a temporada de peixes
Trazendo garoupas suadas
Piranhas dormentes
Sardinhas inchadas
Trutas desiludidas
Tainhas abrutalhadas
Baleias entupidas
E lagostas afogadas
Barracudas deprimentes
E homens inteligentes.

Por fim, a canção de Marvin Gaye, com a respectiva letra.

Topo Gigio e a fama

Pois é: até Topo Gigio apareceu no aclamado programa de TV norte-americano The Ed Sullivan Show. Qualquer pessoa minimamente informada sabe o que significava uma aparição, ainda que rápida, nesse programa: fama certa (o que, nos EUA, equivale a ganhar na loteria; não é como no Brasil), ou, no mínimo, um ponto prestigioso no currículo.

(E por acaso alguém do staff do jornal O Pasquim chegou a tanto, algum dia? Nem em sonhos…)

a inveja é… (recapitulação)

The heart of a jealous person burns when he sees others in a more prosperous condition. He tries his best to bring them disrepute and goes to any length to harm and even destroy them. Even those who seek God and live in caves, often fall victim to this evil quality and lose sight of their high aim in life.

Sri Swami Sivananda

Eis um pequeno ensaio a respeito da inveja, preparado como trabalho de classe durante o período em que cursei a Especialização em Artes Visuais. A propósito, o vídeo foi elaborado tendo este artigo como ponto de partida – e, sobre o trabalho do curso, uma postagem anterior deste blog também discorre.

Por fim, algumas declarações de Ayn Rand a respeito.

Sei não… Acho que esse tipo de inveja SEMPRE existiu, desde que o mundo é mundo. Eu diria apenas que a mídia-má-feia-e-bobona e suas técnicas – cada vez mais sofisticadas, nestes dias e tempos ditos modernos- entra como mero AGRAVANTE do processo, jogando “gasolina” à “fogueira” (das vaidades, bem entendido).

UPDATE 02/10: E, a julgar por certas atitudes presenciadas… Para certas pessoas, parece mais fácil morrer de “invejinha” dos outros a admitir as próprias limitações (e, por tabela, sua própria incompetência). Se bem que, certa vez, já me disseram que “INVEJA É UMA ADMIRAÇÃO AZEDADA”…

==========

embaPub=’be767243ca8f574c740fb4c26cc6dceb’;embaStyle=’counter’;

novo / new video

Editei e subi este vídeo no meu canal Youtube, hoje de manhã. Trata-se de uma tomada (devidamente editada) de celular feita na Embaixada da Indonésia em Brasília, em maio último, durante um evento cultural por lá realizado – evento inesquecível, dada a riqueza da cultura indonésia e a amabilidade de sua gente.

O vídeo mostra uma das facetas do evento: a apresentação de músicos nativos, onde “GAROTA DE IPANEMA” é executada no Angklung, uma espécie de xilofone nativo feito de bambu – no caso, uma verdadeira orquestra desse instrumento, a executar a conhecidíssima composição de Tom Jobim em uma interpretação encantadoramente harmoniosa e melódica.

À ocasião do evento, algumas fotos foram também tiradas.

==========

A new video has just been edited and uploaded on my YT channel: a shot from mobile (properly edited), on a cultural event taken at the Embassy of Indonesia in Brazil, on May. It was a truly memorable event, given the richness of the Indonesian culture as a whole, as well as their amiable people.

The video shows a facet of the event: a musical presentation in which native musicians perform “THE GIRL FROM IPANEMA” in the Angklung, a type of native xylophone built in bamboo – in this case, a true orchestra of this instrument, playing the well-known Brazilian Jazz composition in an enchantingly melodic interpretation.

By the time of the event, some photos had been also taken.

Large Hadron Collider

Dando continuidade ao post anterior (sobre o despertar do meu interesse pela Física, após um período de longa hibernação), eis algumas imagens – salvas em fomato PNG, apesar da “cara de Autocad” – obtidas pelo aplicativo LHSee, através do qual pode-se monitorar os eventos do Large Hadron Collider (LHC), o colisor de partículas destinado a desvendar, entre outros aspectos, elementos referentes à própria origem do Universo

Pelo aplicativo pode-se, entre outras características, “brincar” de procurar o Bóson de Higgs (moderna versão do Santo Graal, talvez?). Por enquanto, LHSee – gratuito – é exclusividade da plataforma Android (até surpreendeu-me que não exista versão para iPhone).

Às vezes tenho a impressão de ver no LHC uma reconstituição de algo já discutido em escritos milenares – e não se trata de “viagem na maionese” por esoterismos de boutique, do tipo New Age: falo em sistemas filosóficos.

In search of the #higgsboson (3) In search of the #higgsboson (2) In search of the #higgsboson

in search of the Higgs Boson

E, para dar o toque musical a este post: as respectivas versões original (em inglês) e em Português do Rap do LHC.

old (modern) fable

WARREN RED CLOUD: Once upon a time, a woman was picking up firewood. She came upon a poisonous snake frozen in the snow. She took the snake home and nursed it back to health. One day the snake bit her on the cheek. As she lay dying, she asked the snake, “Why have you done this to me?” And the snake answered, “Look, bitch, you knew I was a snake.”

[Extracted from Quentin Tarantino’s ‘Natural-born Killers’]

Em bom tupiniquim: QUEM MANDA CRIAR COBRAS?

Kaleidscope series

melancholy child

Vídeo estranhamente comovente: uma das últimas sessões de fotos de Marilyn Monroe, feita em junho de seu último ano de vida. Um ar distante e melancólico domina as tomadas. Mesmo quando sorridente, até o sorriso é triste – e o olhar parece não acompanhá-lo, por mais que tente.

Strangely poignant video: one of Marilyn Monroe’s last photo sessions, taken in june of her last year of life. A distant and melancholic mood dominates shoots. Even when smiling, the smile is sad – and the gaze does not seem to follow, no matter attempting to it.