netiquette – pano para manga (2)

Quando resolvo ensaiar alguma coisa sobre netiqueta, não se trata de “ditar regras” e sim de refletir com base em experiências próximas – e próprias, também.

Desta forma, hoje resolvi escrever um pouco sobre aqueles convites virtuais que se postam no Facebook (recurso para o qual também apelo, quando necessário).

Quem já conhece o recurso, sabe muito bem das ferramentas de que o mesmo dispõe, incluídos aqueles botõezinhos lá no topo da página que disponibilizam aos convidados as opções de aceitar, recusar ou responder com um “talvez” ao evento. OU, simplesmente, não responder, conforme a conveniência do freguês.

Penso que, no caso daqueles que decidem clicar em “RECUSAR” (ou “declinar”), fica implícita uma certa responsabilidade, uma vez que as recusas também estão lá publicadas na página do evento. Trocando em miúdos: àqueles que recusam o convite, caberia responder – agradecendo, justificando a ausência (se possível) e, porque não dizê-lo, desejar boa sorte, sucesso, felicidades etc.

E, para aqueles que me acusam de chata, respondo: não, não estou sendo chata coisíssima nenhuma. Pelo contrário, estou sendo BEM pega-leve, uma vez que não estendo o critério acima especificado àqueles que simplesmente não respondem, ou respondem com um “talvez”. Aí sim, certamente seria exigir demais, rabugice mesmo.

A questão é a de que, conforme já mencionado, as recusas TAMBÉM ficam lá, públicas, no mural, tanto quanto as confirmações ou os “talvezes”. E, convenhamos: nestas circunstâncias, recusar OFICIALMENTE sem nada responder fica chato, e no plano online não seria muito diferente. Talvez até pior, justamente pelo fato das recusas também aparecerem lá para quem quiser ver.

Pensem bem.

img_20180224_092612593_hdr

Terra de Ninguém

A coisa chegou a um ponto em que “falta de educação” e “assédio moral” são sinônimos, onde o uso de arrogância moral (parte da qual decorrente daquilo que já chamei, um dia, de “síndrome do direito adquirido”) chega a colocar pessoas sob constrangimento. Publicamente, também. Arrogância protagonizada por todo tipo de gente, em diferentes locais e situações.

Falo da VIDA REAL.

Já senti na pele constrangimentos assim, bem como haver presenciado situações em que outras pessoas tiveram experiência semelhante: porque esta já é uma Terra de Ninguém. Sem volta.

Volta? Do jeito que a coisa anda… Só um milagre.

Fica aqui o desabafo.

#dinner #party #fisheye #events

Uma publicação compartilhada por Iracema (@immb95) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

immb-acrilico-sobre-papel-11-x-16cm-2017-2

my Web Horror Show

Apresentando a vocês, o melhor do pior – em vídeos cuidadosamente selecionados de vários lugares e idiomas possíveis como, digamos, Meu Horror Show Particular ou, pelo menos, minha singela homenagem à chamada mídia-má-feia-e-bobona :O) Alguns dos vídeos exibem situações (involuntariamente) engraçadas; outros, cenas ou coisas simplesmente inacreditáveis. Rir, para não chorar.
Por outro lado, infelizmente todos, ou pelo menos vários vídeos compilados não dispõem de traduções legendadas.
De qualquer modo, espero que esta seleção divirta vocês. Como sempre faço com as outras playlists, esta também é freqüentemente atualizada.
Now introducing, the best of the worst – on carefully selected videos from several places and in several languages as possible as, say, My Private Horror Showor, at least, my ‘humble’ tribute to the so-called wicked media :O) Some of the videos show (involuntarily) funny situations; others, just plainly unbelievable scenes or things. As we brazilians use to say, “laugh for not to cry”.
On the other hand, unfortunately all or at least most videos compiled do not have translated subtitles.
Anyway, I hope this selection will keep you amused. Like I always do with the other playlists, this one is regularly updated, too.
img_4065