Artes Visuais: monografia de conclusão de curso (e outros materiais)

O que está aqui incorporado refere-se ao curso de Especialização lato sensu em Artes Visuais, feito de outubro de 2009 a dezembro de 2010, pelo SENAC-DF.

Aqui está a monografia (sei que não dá pra ver nada, mas deixei assim de propósito).

E este é o powerpoint preparado para o dia da defesa da mesma.


SENAC-DF 2009-2010: Especialização lato sensu em Artes Visuais//embedr.flickr.com/assets/client-code.js
SENAC-DF 2009-2010//embedr.flickr.com/assets/client-code.js


UPDATE set2017 – Resolvi acrescentar a este post outro vídeo: um “dever de casa” produzido durante um dos módulos do curso.

 

Advertisements

2013: Retrospectiva / Retrospective

2013 - Coletiva do Clube Internacional de Brasilia//embedr.flickr.com/assets/client-code.js
2013, Coletiva "Brasil: As Cores da Floresta", Câmara Legislativa-DF (2)//embedr.flickr.com/assets/client-code.js
2013, Coletiva "Brasil: As Cores da Floresta", Câmara Legislativa-DF (1)//embedr.flickr.com/assets/client-code.js
OBS.: esta retrospectiva é, simultaneamente, “SAIDEIRA”.

noite de abertura: JANELA DAS EMOÇÕES

Segue um resumo do coquetel de abertura da nossa exposição coletiva de pinturas – aberta ao público até o dia 28 próximo, no Anexo IV da Câmara dos Deputados -, na forma de uma colagem de fotos: algumas tiradas por mim, outras gentilmente cedidas por Carmen Fraga, nobre colega expositora =)

A vernissage foi um sucesso e o espaço, incrível.

//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Em anexo, transcrição de RELEASE redigido por mim – com adaptações -, publicado na mídia e no painel de entrada da exposição da Câmara:

UMA JANELA PARA A ARTE

Na arte estão […] visceralmente unidos os dois aspectos […]: o seu lado techné – do­mínio consciente e intencional de meios com o objetivo explícito de atingir um fim pré-determinado – e ao seu lado “magia” – impulso de reconciliação com uma totalidade, experienciada como radicalmente cindida. (DUARTE, Rodrigo A. P., Arte e Modernidade. Psicol. Cienc. Prof., Brasília, v. 14, n. 1-3, 1994. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931994000100003&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 10 abr. 2012)

Os participantes desta mostra são pessoas de diferentes formações, embora tendo um ponto em comum: a ARTE. São diferentes talentos provenientes de diferentes lugares que se encontram na coletiva “JANELA DAS EMOÇÕES”.

Este grupo de artistas participantes vem trilhando, com sua experiência já acumulada, um caminho sólido e promissor através da utilização de diversos materiais, técnicas múltiplas e texturas diversificadas, variando entre o rigor acadêmico e o traço solto, mesclando o clássico e o contemporâneo.

Nestas “janelas” aparentemente tão distintas, sua proposta resulta, no entanto, no supremo objetivo do evento que os une: o amor à expressão artística. Paixão que, por sua vez, promove a integração entre a emoção da criação artística e a visão – ou, talvez, revisão – filosófica do mundo que nos cerca. Portanto, aqui, diferentes visões de mundo convergem em um ponto comum: o aparente parado­xo do emprego “racional” das técnicas artísticas que leva à “magia” (tal como na citação acima) da reflexão e consequente reconciliação com o mundo e o Universo.

evento: coletiva JANELA DAS EMOÇÕES, em agosto

ARTISTAS PARTICIPANTES (ordem alfabética):

Beatriz Cavalcante
Carmen Fraga
Iracema Brochado
Raquel Schmitt
Renata Prata
Solange Lannes

(LINK PARA O EVENTO, NO FACEBOOK)

Ago2012 - Coletiva "Janela das Emoções", Câmara Federal (1)//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Em anexo, transcrição de RELEASE redigido por mim – com adaptações -, publicado na mídia e no painel de entrada da exposição da Câmara:

UMA JANELA PARA A ARTE

Na arte estão […] visceralmente unidos os dois aspectos […]: o seu lado techné – do­mínio consciente e intencional de meios com o objetivo explícito de atingir um fim pré-determinado – e ao seu lado “magia” – impulso de reconciliação com uma totalidade, experienciada como radicalmente cindida. (DUARTE, Rodrigo A. P., Arte e Modernidade. Psicol. Cienc. Prof., Brasília, v. 14, n. 1-3, 1994. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931994000100003&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 10 abr. 2012)

Os participantes desta mostra são pessoas de diferentes formações, embora tendo um ponto em comum: a ARTE. São diferentes talentos provenientes de diferentes lugares que se encontram na coletiva “JANELA DAS EMOÇÕES”.

Este grupo de artistas participantes vem trilhando, com sua experiência já acumulada, um caminho sólido e promissor através da utilização de diversos materiais, técnicas múltiplas e texturas diversificadas, variando entre o rigor acadêmico e o traço solto, mesclando o clássico e o contemporâneo.

Nestas “janelas” aparentemente tão distintas, sua proposta resulta, no entanto, no supremo objetivo do evento que os une: o amor à expressão artística. Paixão que, por sua vez, promove a integração entre a emoção da criação artística e a visão – ou, talvez, revisão – filosófica do mundo que nos cerca. Portanto, aqui, diferentes visões de mundo convergem em um ponto comum: o aparente parado­xo do emprego “racional” das técnicas artísticas que leva à “magia” (tal como na citação acima) da reflexão e consequente reconciliação com o mundo e o Universo.

early manifestations of the ‘recycling’ attitude

Yesterday, while taking participation in a discussion forum of my post-grad classes, I’d brought to all colleagues the following reflexion: after al, wasn’t RECYCLING a core idea of the early conceptual art manifestations, hence a true pioneerism in this sense? And isn’t the specific case of readymade nothing more than a proposal for the act of ‘recycling’?

The idea occurred by initially analysing pieces from artists such as Duchamp and Smithson.

Then, within the context of recycling, the recent cases of Brazilian artist/designers such as Polish-born sculptor Franz Krajcberg and designer Campana brothers came to mind:

Alongside with this, a shot on a ‘recycling’ workshop given by Italian designer/professor Aldo Cibic at a Venetian Architecture university, on 2007 (video is in Italian only):