Artes Visuais: monografia de conclusão de curso (e outros materiais)

O que está aqui incorporado refere-se ao curso de Especialização lato sensu em Artes Visuais, feito de outubro de 2009 a dezembro de 2010, pelo SENAC-DF.

Aqui está a monografia (sei que não dá pra ver nada, mas deixei assim de propósito).

E este é o powerpoint preparado para o dia da defesa da mesma.


SENAC-DF 2009-2010: Especialização lato sensu em Artes Visuais//embedr.flickr.com/assets/client-code.js
SENAC-DF 2009-2010//embedr.flickr.com/assets/client-code.js


UPDATE set2017 – Resolvi acrescentar a este post outro vídeo: um “dever de casa” produzido durante um dos módulos do curso.

 

Advertisements

panorama… atual

Desde que ouvi esta música pela 1ª vez em plena Rádio Mundial, esta canção do Erasmo Carlos nunca perdeu sua atualidade; pelo contrário, é daquele tipo de obra dotada da estranha e significativa propriedade de ficar cada vez mais atual, á medida que os anos passam.

Juntamente com Mercy Mercy Me (The Ecology), de Marvin Gaye, esta canção aborda o problema do desequilíbrio ecológico – e sua consequente queda na qualidade de vida -, em uma época que tais preocupações ocorriam de forma um tanto vaga em cabeças pensantes, como uma espécie de louca utopia pessimista.

Sobre a canção de Erasmo, de tão boa e atual, sua letra pode ser analisada por si mesma sem a necessidade da melodia, apreciada como um poema – com sua ironia sutil em antepor a (eterna) busca de “perfeição” do gênero humano à crescente degradação ambiental – e, por extensão, da qualidade de vida de todas as coisas vivas – em volta:

Lá vem a temporada de flores
Trazendo begônias aflitas
Petúnias cansadas
Rosas malditas
Prímulas despetaladas
Margaridas sem miolo
Sempre-vivas quase mortas
E cravinas tortas
Odoratas com defeitos
E homens perfeitos

Lá vem a temporada de pássaros
Trazendo águias rasteiras
Graúnas malvadas
Pombas guerreiras
Canários pelados
Andorinhas de rapina
Sanhaços morgados
E pardais viciados
Curiós desafinados
E homens imaculados

Lá vem a temporada de peixes
Trazendo garoupas suadas
Piranhas dormentes
Sardinhas inchadas
Trutas desiludidas
Tainhas abrutalhadas
Baleias entupidas
E lagostas afogadas
Barracudas deprimentes
E homens inteligentes.

Por fim, a canção de Marvin Gaye, com a respectiva letra.

arte no dia-a-dia do campus

Na 2ª feira última dei uma entrevistinha (como “passante”) para uma reportagem que, vim a saber depois, trata sobre um evento artístico que rola no Minhocão até dezembro, como parte das comemorações do cinquentenário da UnB: a Exposição Cara-metade. O vídeo – o de nº 2 – foi postado ontem.

A reportagem – realizada pela equipe de reportagem da UnB TV, com respectivo canal no Youtube -, colhe impressões dos alunos da universidade sobre esta multifacetada exposição de (duplos) retratos, a qual estreou no dia 22 de outubro (pouco antes do começo do semestre letivo) e se estenderá até dezembro, evento este simultaneamente abrindo a edição anual do FLAAC (Festival Latino Americano e Africano de Arte e Cultura) e integrando as comemorações do jubileu da Universidade de Brasília.

No vídeo, apareço com uma modesta contribuição às declarações colhidas, comentando o aspecto da integração entre manifestações artísticas ao cotidiano das pessoas – com base nos conhecimentos adquiridos ao longo de anos de experiência, tanto como artista plástica como do estudo durante a Especialização em Artes Visuais, cursada há uns 2 anos, pelo SENAC-DF (link para o meu TCC, aqui).

Espero que gostem – como senti-me feliz em contribuir a algo que, enfim, tem afinidade com minhas próprias áreas de interesse. Mesmo com um minutinho apenas, foi gratificante de verdade. Valeu 🙂

VÍDEO 1: reportagem sobre o lançamento do evento, a título de introdução.

VÍDEO 2: a reportagem da UnB TV onde apareço.

1ro dia d aula #Universidade

Uma publicação compartilhada por Iracema (@immb95) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Large Hadron Collider

Dando continuidade ao post anterior (sobre o despertar do meu interesse pela Física, após um período de longa hibernação), eis algumas imagens – salvas em fomato PNG, apesar da “cara de Autocad” – obtidas pelo aplicativo LHSee, através do qual pode-se monitorar os eventos do Large Hadron Collider (LHC), o colisor de partículas destinado a desvendar, entre outros aspectos, elementos referentes à própria origem do Universo

Pelo aplicativo pode-se, entre outras características, “brincar” de procurar o Bóson de Higgs (moderna versão do Santo Graal, talvez?). Por enquanto, LHSee – gratuito – é exclusividade da plataforma Android (até surpreendeu-me que não exista versão para iPhone).

Às vezes tenho a impressão de ver no LHC uma reconstituição de algo já discutido em escritos milenares – e não se trata de “viagem na maionese” por esoterismos de boutique, do tipo New Age: falo em sistemas filosóficos.

In search of the #higgsboson (3) In search of the #higgsboson (2) In search of the #higgsboson

in search of the Higgs Boson

E, para dar o toque musical a este post: as respectivas versões original (em inglês) e em Português do Rap do LHC.

art in food (arty food)

Visually speaking, concerning gastronomy and the food plating topic, a neat presentation should make a lot of difference in dishes’ preparing proccess (plus some GREAT music, like in the 1rst video) – whether artistic or even of the humorous kind.

Such, obviously, includes beverages like coffee (in CafeLatte combinations), which presents delicacies like this.

…Yet few can raise such condition to a stylish, witty level like Brazilian artist (settled in France) Juarez Machado – as follows.